Experiências de voz

post-crg

Alexa ou Google Assistente: Qual escolher?

Muitas vezes, ao entrar no mundo da voz, surge a dúvida em escolher Amazon Alexa ou Google Assistente para o seu projeto.

Recentemente, ouvimos as perguntas: “Qual é a melhor?” ou “Qual devemos escolher?”

Bem, ambas assistentes têm excelentes recursos para os aplicativos de voz. Inclusive, elas funcionam de forma muito parecida. No entanto, alguns detalhes podem diferenciá-las na hora da escolha.

A principal delas e que você deve levar em conta, é como e onde você planeja que seu aplicativo de voz seja descoberto e utilizado. Isso porque, apesar de ambas assistentes possuírem aplicativos de celular e estarem presentes em diversos outros tipos de aparelhos, a audiência pode ser diferente.

Por ser a assistente padrão no Android, a Google Assistente tem vantagem para o uso em smartphones. Já a Amazon Alexa, possui maior audiência quando se trata de caixas de som inteligentes.

Se a meta for uma cobertura mais ampla da audiência, a melhor escolha é disponibilizar seu projeto em ambas as plataformas, otimizando as especificações para cada uma delas.

Ou seja, tudo vai depender das suas metas e como você planeja que seja a interação dos usuários com a interface de voz. Seja qual for sua escolha, a Cristal Indigo pode te ajudar a desenvolver o seu projeto.

Perguntas frequentes

Assistentes virtuais por voz são agentes de inteligência artificial que ajudam o usuário a resolver tarefas rapidamente, de forma humanizada através da fala. Elas ajudam a receber informações e a controlar aparelhos de casa inteligente. As principais são Amazon Alexa e Google Assistente. Elas estão disponíveis no celular, em caixas de som inteligentes, carros e nos mais diversos aparelhos.

Cada assistente de voz tem seus próprios aplicativos, assim como o Android ou iOS. Esse tipo de aplicativo é chamado de skill na Amazon Alexa, ou de Action no Google Assistente. Cada assistente virtual tem sua própria “loja” onde os usuários podem ativar os aplicativos que desejarem.

Qualquer pessoa, agência ou empresa que detenha ou prove os direitos da marca, caso o aplicativo de voz contenha uma. Para aplicativos que não mencionem uma marca, isso não é necessário e podem ser publicadas, desde que estejam dentro da política de publicação de cada plataforma.

As plataformas de aplicativos de voz podem ser usadas para diversas finalidades, incluindo rádio, podcasts, jogos, informações, experiências criativas, storytelling, SAC e muito mais!

As assistentes virtuais estão se tornando onipresente por estarem disponíveis em vários aparelhos simultaneamente. As marcas devem aproveitarem essas plataformas para se aproximarem dos seus clientes, já que as assistentes estreitam laços emocionais e sociais com seus usuários, muito mais que outras mídias.

Dependendo do conteúdo e da complexidade do projeto, pode levar de 15 a 60 dias, em média, para desenvolver um aplicativo de voz. Além disso, deve-se acrescentar de 7 a 15 dias para a certificação e distribuição nas plataformas.

Sound branding diz respeito à marca sonora da empresa ou produto. É um som ou conjunto de sons pelo qual o usuário reconhece a marca. Por exemplo, o “Plim plim” da Rede Globo.

Já o Sound design é toda a experiência sonora do aplicativo de voz, que pode incluir trilha sonora, sons de ambientação, locução, dentre outros.

Sim, pode! No entanto, cada plataforma tem suas próprias diretrizes. Consulte-nos para encontrarmos a melhor forma de disponibilizar seus produtos por aplicativos de voz.

Somos uma agência certificada, com uma equipe de criativos composta por profissionais de UX/VUI/sound design & branding, conteúdo, desenvolvimento especializado e pós-venda.

Nossos projetos têm como foco utilidade, relevância e facilidade. Tudo para a sua marca se destacar nas Assistentes virtuais por voz.

Vamos conversar

contato@cristalindigo.com.br  |  (+55 48) 9 9188 0734

BRASIL  |  SP  |  SC |  RS