Voice & Sound Agency

pexels-francesco-ungaro-96381

O admirável mundo novo da voz

Desde o aparecimento dos primeiros computadores pessoais, a relação dos usuários com a tecnologia começou a mudar. A internet, que veio logo depois, conectou as pessoas e trouxe informação instantânea a qualquer parte do mundo.

Anos depois, com a ascenção dos smartphones, a tecnologia ficou ainda mais pessoal, fazendo os aplicativos serem protagonistas nas nossas vidas por facilitarem as tarefas em qualquer lugar. No entanto, a necessidade de foco visual exagerado, trouxe novas possibilidades que precisavam ser exploradas.

Atualmente, através de assistentes virtuais por voz, temos finalmente uma tecnologia pessoal e que nos deixa livre para fazermos outros tipos de tarefas, sem ter que clicar em vários botões e procurar funções em meio a tantas outras coisas. Não que as assistentes estejam substituindo os smartphones; assim como eles não substituíram os computadores. Na verdade, o que acontece, é a diversificação de uso conforme o contexto.

Por exemplo, para trabalhar, o computador ainda é mais indicado e mais utilizado. Para redes sociais, jogos casuais e pequenos documentos, o smartphone. No entanto, para comandar uma casa conectada, resolver uma dúvida rápida, checar a previsão do tempo ou o saldo da sua conta, uma assistente virtual é a melhor solução.

Além disso, muito outros casos de uso estão se provando mais efetivos através das assistentes. É o caso dos deliveries, do conteúdo de entretenimento, dos serviços de atendimento ao consumidor e muitos outros que estão no momento sendo aplicados através de aplicativos de voz, que extendem a capacidade dessa plataforma.

As empresas líderes de mercado já entenderam a necessidade de trazer funções que sejam rápidas, fáceis e relevantes para as assistentes, produzindo conteúdo inovador e que impactam diretamente a vida do consumidor. É o caso da skill “Vamos cuidar” da Johnson&Johnson, que traz dicas e ações de autocuidado, relacionando seus produtos à melhor qualidade de vida de seus clientes.

Além disso, as empresas que controlam as maiores e mais famosas assistentes, Amazon e Google, estão atualizando suas plataformas regularmente a passos largos. Isso quer dizer que a evolução dessa tecnologia será rápida e quem ficar de fora perderá a chance de se aproximar dos seus clientes, dando espaço para outras se posicionarem em um mercado em ascenção.

Perguntas frequentes

Assistentes virtuais por voz são agentes de inteligência artificial que ajudam o usuário a resolver tarefas rapidamente, de forma humana através da fala. Elas ajudam a receber informações e a controlar aparelhos de casa inteligente. As principais são Amazon Alexa e Google Assistente. Elas estão disponíveis no celular, em caixas de som inteligentes, carros e nos mais diversos aparelhos.

Cada assistente de voz tem seus próprios aplicativos, assim como o Android ou iOS. Esse tipo de aplicativo é chamado de skill na Amazon Alexa, ou de Action no Google Assistente. Cada assistente virtual tem sua própria “loja” onde os usuários podem ativar os aplicativos que desejarem.

Qualquer pessoa, agência ou empresa que detenha ou prove os direitos da marca, caso o aplicativo de voz contenha uma. Para aplicativos que não mencionem uma marca, isso não é necessário e podem ser publicadas, desde que estejam dentro da política de publicação de cada plataforma.

As plataformas de aplicativos de voz podem ser usadas para diversas finalidades, incluindo rádio, podcasts, jogos, informações, experiências criativas, storytelling, SAC e muito mais!

As assistentes virtuais estão se tornando unipresente por estarem disponíveis em vários aparelhos simultaneamente. As marcas devem aproveitarem essas plataformas para se aproximarem dos seus clientes, já que as assistentes estreitam laços emocionais e sociais com seus usuários, muito mais que outras mídias.

Dependendo do conteúdo e da complexidade do projeto, pode levar de 15 a 60 dias, em média, para desenvolver um aplicativo de voz. Além disso, deve-se acrescentar de 7 a 15 dias para a certificação e distribuição nas plataformas.

Sound branding diz respeito à marca sonora da empresa ou produto. É um som ou conjunto de sons pelo qual o usuário reconhece a marca. Por exemplo, o “Plim plim” da Rede Globo.

Já o Sound design é toda a experiência sonora do aplicativo de voz, que pode incluir trilha sonora, sons de ambientação, locução, dentre outros.

Sim, pode! No entanto, cada plataforma tem suas próprias diretrizes. Consulte-nos para encontrarmos a melhor forma de disponibilizar seus produtos por aplicativos de voz.

Somos uma agência certificada, com uma equipe de criativos composta por profissionais de UX/VUI/sound design & branding, conteúdo, desenvolvimento especializado e pós-venda.

Nossos projetos têm como foco utilidade, relevância e facilidade. Tudo para a sua marca se destacar nas Assistentes virtuais por voz.

Vamos conversar

contato@cristalindigo.com.br  |  (+55 11) 99164 7437 

CNPJ 38371681000177

BRASIL  |  SP  |  SC |  RS